Últimos assuntos
» Nossos Filhos nos Acusarão (legendado)
Dom 14 Abr 2013 - 14:16 por jerry

» UMA FAZENDA PARA O FUTURO
Qui 4 Abr 2013 - 20:30 por jerry

» Muito Além do Peso (2012)
Sab 16 Mar 2013 - 22:11 por jerry

» Quem se Importa (2012)
Seg 4 Fev 2013 - 22:52 por jerry

» Luto em Luta (2012)
Ter 22 Jan 2013 - 20:35 por jerry

»  The Suicide Tourist (2007)
Dom 15 Jul 2012 - 23:28 por jerry

» There's no Tomorrow
Sab 5 Maio 2012 - 22:47 por jerry

Votação

Para os que possuem TVs pagas: Você já aderiu ao sistema HD?

27% 27% [ 128 ]
23% 23% [ 107 ]
14% 14% [ 64 ]
25% 25% [ 116 ]
12% 12% [ 57 ]

Total dos votos : 472


Os casos policiais mais misteriosos

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

Os casos policiais mais misteriosos

Mensagem por Paulo em Seg 11 Jan 2010 - 7:19

O sumiço de Walter Collins

Walter Collins tinha nove anos de idade quando desapareceu em Los Angeles (EUA) em março de 1928. Uma campanha nacional para localizar o garoto iniciou-se e cinco meses
depois um menino apresentou-se à polícia de Illinois dizendo ser ele. Mas tratava-se de um impostor logo desmascarado por Cristina Collins, a mãe de Walter. No entanto, a polícia de Los Angeles ávida por encerrar o caso acusou Cristina de desequilibrada e ela acabou passando alguns dias internada à força em uma instituição psiquiátrica, enquanto o
impostorzinho confessava a farsa à polícia. As investigações levavam a crer que Walter poderia ter sido vítima do serial killer Gordon Stewart Northcott, que havia sido recentemente preso pelos crimes que ficaram conhecidos como “assassinatos do galinheiro de Wineville”. No rancho em que Northcot morava foram encontrados corpos de três dos 20 meninos que
haviam desaparecidos na região. Northcot assumiu o assassinato de todas as crianças, inclusive Walter, mas voltou atrás neste caso. Anos mais tarde um dos garotos desaparecidos, e que Northcot teria confessado o assassinato, apareceu vivo e isso aumentou as esperanças de Cristina Collins na busca por seu filho. Walter nunca foi encontrado e a história do seu desaparecimento inspirou o filme “A Troca” (2008),
dirigido por Clint Eastwood, com Angelina Jolie no papel de Cristina Collins.


O caso da rua Cuba
Na véspera do Natal de 1988, o casal Maria Cecília e Jorge Toufic Bouchabki foram assassinados no interior de sua residência, localizada no número 109 da Rua Cuba, em um
dos bairros mais ricos de São Paulo. Sem encontrar sinais de arrombamento na casa e sem achar a arma do crime, os investigadores suspeitaram que o assassinato poderia ter sido cometido pelo filho mais velho do casal: Jorge Delmanto Bouchabki, que tinha então 19 anos. No entanto, a polícia e a promotoria não reuniram provas consistentes contra ele, segundo a análise do juiz encarregado, e o caso foi arquivado em 1991.
Dez anos após os crimes, logo depois da prescrição do caso, uma das empregadas da família na época da tragédia mudou o seu depoimento para os promotores. Inicialmente ela
havia falado que o relacionamento familiar era harmonioso, mas uma década depois relatou à Promotoria que na véspera do crime houve uma discussão entre Jorginho e a mãe por conta da namorada do rapaz. Segundo a empregada, a discussão teria terminado com a mãe agredindo o filho com um taco de sinuca e ele gritando que ela iria se arrepender por ter batido nele. A empregada não revelou porque resolveu mudar seu depoimento e até hoje o mistério do assassinato dos Bouchabki não foi desvendado.



O desaparecimento de Madeleine
Em maio de 2007 a família britânica McCann passava férias em Portugal. Na noite do dia 3 o que era para ser uma viagem dos sonhos transformou-se em pesadelo. A filha do casal, Madeleine, de quatro anos de idade, teria desaparecido de dentro do hotel onde estavam hospedados, enquanto os pais jantavam no restaurante. Primeiro suspeitou-se de sequestro o
que levou a uma imensa campanha e ao interrogatório de quase 150 pessoas, mas a seguir a polícia portuguesa passou a desconfiar dos pais da menina e os acusou por ocultação de cadáver, após uma possível morte acidental da menina. No entanto, depois de 14 meses de investigação a acusação contra os pais de Madeleine acabou arquivada por falta de evidências segundo a Justiça portuguesa. O casal McCann continua com esperanças de encontrar a menina e mantém uma campanha para localizá-la, inclusive com a divulgação de retratos falados de seus possíveis sequestradores.


O assassinato de PC Farias
PC Farias foi uma das figuras mais sombrias da História do Brasil. Paulo César Farias, seu nome de batismo, foi tesoureiro da campanha que levou Fernando Collor à Presidência do país. Nessa posição ele foi o operador de um dos mais escandalosos casos de corrupção no Brasil, o chamado esquema PC, que teria movimentado cerca de R$ 1 bilhão, segundo as
investigações. Com esse histórico, PC era uma eminência parda, um arquivo vivo, com muitos inimigos. Em 23 de junho de 1996, PC e sua namorada, Suzana Marcolino, morreram na casa de praia dele em Alagoas em circunstâncias misteriosas. A versão logo divulgada pela polícia local falava em crime passional, no qual Suzana teria matado PC e cometido suicídio a seguir. No entanto, as evidências colocam muitas dúvidas sobre essa possibilidade. Nem os cinco seguranças nem o caseiro teriam ouvido os disparos, a cena do crime não foi preservada e a trajetória das balas punha em xeque a tese de crime passional. O irmão de PC, o empresário e então deputado Augusto Farias, chegou a ser indiciado, mas o caso permanece sem solução.



A estranha morte de Jeannie Saffin
Este está mais para um caso de paranormalidade do que para as páginas policiais. Mas a bizarra morte de Jeannie Saffin em setembro de 1982, na Inglaterra, acabou tendo que ser investigada pela polícia tal a estranheza das circunstâncias em que ocorreu. Saffin, portadora de deficiência mental, tinha 61 anos de idade e estava dormindo sentada na cozinha quando seu corpo foi dominado por chamas, que saíam principalmente de sua boca e mãos. O pai de Saffin e seu enteado conseguiram apagar as chamas e chamaram os paramédicos. Saffin
permaneceu oito dias em coma até morrer. As investigações policiais não foram conclusivas quanto ao que causou o incidente. Saffin tornou-se um dos exemplos de casos de combustão humana espontânea, um fenômeno tão bizarro que somente uma mente brilhante como a de Edgar Allan Poe a poderia decifrar.



O Fugitivo
Em julho de 1954, um crime chocou os Estados Unidos. O neurocirurgião Sam Sheppard teria assassinado sua esposa Marilyn, de 31 anos que estava grávida, enquanto o filho de sete anos do casal dormia no quarto ao lado. Sheppard alegou inocência e afirmou que um homem teria invadido sua casa, o atacado, deixando-o inconsciente, e então assassinado Marilyn. O médico foi julgado e condenado a prisão perpétua. O caso recebeu uma enorme cobertura midiática, com muitos veículos pressionando pela prisão de Sheppard. Em seu apelo à Suprema Corte, ele alegou que essa publicidade teria influenciado o julgamento. Após dez
anos preso, Sheppard teve um novo julgamento, no qual foi absolvido. Desde então ele e sua família empreenderam um esforço para encontrar aquele que seria o verdadeiro assassino de sua esposa. A história de Sheppard inspirou uma série televisiva nos anos 60 e depois o filme “O Fugitivo” (1993), dirigido por Andrew Davis, com Harrison Ford no papel do neurocirurgião. Apesar de todas as reviravoltas, o assassinato de Marilyn Sheppard continua um mistério.



Os crimes do zodíaco
A morte de um casal de adolescentes, enquanto namoravam no carro estacionado em uma área rural na Califórnia (EUA), em dezembro de 1968, anunciava o horror que se instalaria na região. O medo crescia com uma série de cartas com pistas codificadas que o assassino endereçava aos jornais de San Francisco. Com conteúdos provocadores em relação à polícia elas foram a marca registrada de um serial killer que ficou conhecido como o Zodíaco. Entre 7 e 12 pessoas teriam sido vítimas dele, principalmente no período que se estendeu até outubro de 1969.
Nos anos seguintes alguns crimes e cartas codificadas e provocativas chegaram a ser atribuídas a ele. Vários suspeitos foram presos, mas alguns investigadores acreditam que o Zodíaco pode ainda estar vivo em alguma parte da Califórnia. A história inspirou o filme “Zodíaco” (2007), direção de David Fincher, com Jake Gillenhaal.



O assassinato da Dália Negra
Em 1947, Elizabeth Short era uma aspirante a atriz em Hollywood chamada de Dália Negra por conta de seu cabelo e roupas negras. Aos 22 anos de idade ela foi brutalmente assassinada. Seu corpo foi encontrado mutilado, dividido ao meio e com todo o sangue drenado em um estacionamento em Los Angeles.
O Departamento de Polícia nunca conseguiu solucionar o caso, apesar dos vários suspeitos que investigou e de cerca de 50 confissões que recebeu e que considerou falsas, vindo provavelmente de gente em busca de fama graças a notoriedade que o caso ganhou. O escritor James Ellroy, um dos autores mais importantes do romance policial norte-americano contemporâneo, escreveu um dos melhores livros inspirados no caso. A partir dele, Brian de Palma dirigiu o filme “A Dália Negra” (2006).



Quem matou o presidente Kennedy
Esse é sem dúvida um dos casos policiais mais famosos, importante e que mais alimentou teorias da conspiração. Não é o típico caso sem solução, afinal um suspeito, Lee Harvey Oswald, foi preso e acusado do crime. Mas nem todo mundo ficou convencido de que Oswald tenha sido o verdadeiro culpado ou agido solitariamente.
Para muitos, ele foi apenas uma peça numa conspiração que, dependendo da versão, nvolvia da Máfia a misteriosas agências governamentais que estavam tendo seus interesses contrariados pela administração Kennedy. Um dos filmes sobre o tema que mais alimentou a imaginação dos que acham que há muito mais sobre esse assassinato do que dizem as conclusões oficiais é “JFK” (1991), dirigido por Oliver Stone.



A identidade de Jack, o Estripador
Descobrir quem foi o serial killer que assombrou Londres no fim do século 19 é sem dúvida o maior de todos os mistérios policiais que existe. Em 1888, pelo menos cinco prostitutas foram brutalmente assassinadas no bairro de Whitechapel por um maníaco que ficou conhecido como Jack, o Estripador. A polícia nunca conseguiu chegar a uma conclusão, apesar das investigações, e várias hipóteses sobre a verdadeira identidade do assassino têm sido levantadas. Nelas entre os suspeitos aparecem do príncipe Albert Victor, neto da Rainha Vitória, até Sir William Gull, médico da realeza britânica na época. Em 2002, a escritora Patrícia Cornwell investiu US$ 4 milhões numa investigação particular que a levou a concluir que o verdadeiro Jack, o Estripador, foi o pintor Walter Sickert, conforme ela demonstra no livro “Retrato de Um Assassino – Jack, o Estripador: caso encerrado”.
avatar
Paulo
Administrador

Masculino Mensagens : 3616
Data de inscrição : 06/04/2009
Idade : 53
Localização : São Paulo

http://visaoemfoco.ativoforum.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum