Últimos assuntos
» Nossos Filhos nos Acusarão (legendado)
Dom 14 Abr 2013 - 14:16 por jerry

» UMA FAZENDA PARA O FUTURO
Qui 4 Abr 2013 - 20:30 por jerry

» Muito Além do Peso (2012)
Sab 16 Mar 2013 - 22:11 por jerry

» Quem se Importa (2012)
Seg 4 Fev 2013 - 22:52 por jerry

» Luto em Luta (2012)
Ter 22 Jan 2013 - 20:35 por jerry

»  The Suicide Tourist (2007)
Dom 15 Jul 2012 - 23:28 por jerry

» There's no Tomorrow
Sab 5 Maio 2012 - 22:47 por jerry

Votação

Para os que possuem TVs pagas: Você já aderiu ao sistema HD?

27% 27% [ 128 ]
23% 23% [ 107 ]
14% 14% [ 64 ]
25% 25% [ 116 ]
12% 12% [ 57 ]

Total dos votos : 472


"Tapa na cara" do Renato Aragão

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Ir em baixo

"Tapa na cara" do Renato Aragão

Mensagem por Lili em Qua 21 Out 2009 - 18:35

E não é mais uma cena sem-graça de "A Turma Do Didi". É uma carta escrita por uma brasileira indignada com o "Criança Esperança". É tudo aquilo que, ou a gente pensa e quer falar, ou deveria pensar.

Vale a leitura.

Quinta, 23 de julho de 2008
Querido Didi,

Há alguns meses você vem me escrevendo pedindo uma doação mensal para enfrentar alguns problemas que comprometem o presente e o futuro de muitas crianças brasileiras. Eu não respondi aos seus apelos (apesar de ter gostado do lápis e das etiquetas com meu Nome para colar nas correspondências).
Achei que as cartas não deveriam sem endereçadas à mim. Agora, novamente, você me escreve preocupado por eu não ter atendido as suas solicitações. Diante de sua insistência, me senti na obrigação de parar tudo e te escrever uma resposta.
Não foi por ‘algum’ motivo que não fiz a doação em dinheiro solicitada por você. São vários os motivos que me levam a não participar de sua campanha altruísta (se eu quisesse poderia escrever umas dez páginas sobre esses motivos). Você diz, em sua última Carta, que enquanto eu a estivesse lendo, uma criança estaria perdendo a chance de se desenvolver e aprender pela falta de investimentos em sua formação.
Didi, não tente me fazer sentir culpada. Essa jogada publicitária eu conheço muito bem. Esse tipo de texto apelativo pode funcionar com muitas pessoas mas, comigo não. Eu não sou ministra da educação, não ordeno e nem priorizo as despesas das escolas e nem posso obrigar o filho do vizinho a freqüentar as salas de aula. A minha parte eu já venho fazendo desde os 11 anos quando comecei a trabalhar na roça para ajudar meus pais no sustento da minha família. Trabalhei muito e, te garanto, trabalho não Mata ninguém. Muito pelo contrário, faz bem! Estudei na escola da zona rural, fiz Supletivo, estudei à distância e muito antes de ser jornalista e publicitária eu já era uma micro empresária.
Didi, talvez você não tenha noção do quanto o Governo Federal tira do nosso suor para manter a saúde, a educação, a segurança e tudo o mais que o povo brasileiro precisa. Os impostos são muito altos! Sem falar dos Impostos embutidos em cada alimento, em cada produto ou serviço que preciso comprar para o sustento e sobrevivência da minha família.
Eu já pago pela educação duas vezes: pago pela educação na escola pública, através dos impostos, e na escola particular, mensalmente, porque a escola pública não atende com o ensino de qualidade que, acredito, meus dois filhos merecem. Não acho louvável recorrer à sociedade para resolver um problema que nem deveria existir pelo volume de dinheiro arrecadado em nome da educação e de tantos outros problemas sociais.
O que está acontecendo, meu caro Didi, é que os administradores, dessa dinheirama toda, não têm a educação como prioridade. Pois a educação tira a subserviência e esse fato, por si só não interessa aos políticos no poder. Por isso, o dinheiro está saindo pelo ralo, estão jogando fora, ou aplicando muito mal. Para você ter uma idéia, na minha cidade, cada alimentação de um presidiário custa para os cofres públicos R$ 3,82 (três reais e oitenta e dois centavos) enquanto que a merenda de uma criança na escola pública custa R$ 0,20 (vinte centavos)! O governo precisa rever suas prioridades, você não concorda? Você pode ajudar a mudar isso! Não acha?
Você diz em sua Carta que não dá para aceitar que um brasileiro se torne adulto sem compreender um texto simples ou conseguir fazer uma conta de matemática. Concordo com você. É por isso que sua Carta não deveria ser endereçada à minha pessoa. Deveria se endereçada ao Presidente da República. Ele é ‘o cara’. Ele tem a chave do Cofre e a vontade política para aplicar os recursos. Eu e mais milhares de pessoas só colocamos o dinheiro lá para que ele faça o que for necessário para melhorar a qualidade de vida das pessoas do país, sem nenhum tipo de distinção ou discriminação. Mas, infelizmente, não é o que acontece….
No último parágrafo da sua Carta, mais uma vez, você joga a responsabilidade para cima de mim dizendo que as crianças precisam da ‘minha’ doação, que a ‘minha’ doação faz toda a diferença. Lamento discordar de você Didi.. Com o valor da doação mínima, de R$ 15,00, eu posso comprar 12 quilos de arroz para alimentar minha família por um mês ou posso comprar pão para o café da manhã por 10 dias.
Didi, você pode até me chamar de muquirana, não me importo, mas R$ 15,00 eu não vou doar. Minha doação mensal já é muito grande. Se você não sabe, eu faço doações mensais de 27,5% de tudo o que ganho. Isso significa que o governo leva mais de um terço de tudo que eu recebo e posso te garantir que essa grana, se ficasse comigo, seria muito melhor aplicada na qualidade de vida da minha família.
Você sabia que para pagar os impostos eu tenho que dizer não para quase tudo que meus filhos querem ou precisam? Meu filho de 12 anos quer praticar tênis e eu não posso pagar as aulas que são caras demais para nosso padrão de vida. Você acha isso justo? Acredito que não. Você é um homem de bom senso e saberá entender os meus motivos para não colaborar com sua campanha pela educação brasileira.
Outra coisa Didi, mande uma Carta para o Presidente pedindo para ele selecionar melhor os ministros e professores das escolas públicas; pedindo a ele para não ofereçer cargos para politicos fracassados, cabos eleitorais ou apadrinhados politicos. Isto não tem dado certo! Só escolher quem, de fato, tem vocação para ser ministro e para o ensino. Melhorar os salários, desses profissionais, também funciona para que eles tomem gosto pela profissão e vistam, de fato, a camisa da educação. Peça para ele, também, fazer escolas de horário integral, escolas em que as crianças possam além de ler, escrever e fazer contas possa desenvolver dons artísticos, esportivos e habilidades profissionais. Dinheiro para isso tem sim! Diga para ele priorizar a educação e utilizar melhor os recursos.
Bem, você assina suas cartas com o pomposo título de Embaixador Especial do Unicef para Crianças Brasileiras e eu vou me despedindo assinando…

Eliane Sinhasique
Mantenedora Principal dos Dois Filhos que Pari


Fonte: Asttro.org

Apesar desta carta ser do ano passado, continua bastante atual. Alguns podem até ficar chocados com a minha opinião. Concordo plenamente com este texto, sem tirar e nem por. Sempre achei o "Criança Esperança" de uma demagogia e de uma hipocrisia sem tamanho! Nunca doei nada e nunca vou doar. Não vejo nenhuma transparência nas supostas prestações de contas anuais das doações que são feitas (que por sinal, nunca foram claras e precisas). Eles simplesmente dizem que as arrecadações vão para a Unicef e pronto. E daí? Quero saber quais as instituições que as receberam e no que exatamente foi aplicado o dinheiro, e nos mínimos detalhes. Neste aspecto, os responsáveis pelo "Teleton" agem com muito mais credibilidade e transparência do que os do "Criança Esperança". Diferente deste último, anualmente eles prestam as contas com toda a clareza e transparência, mostram as instituições já existentes e o que foi feito nelas com as vebas das doações recebidas. Fora os novos centros de reabilitação que são construídos anualmente. E que também são filmados e mostrados para o público.

Como a minha xará frisou na carta, também já faço a minha parte nos inúmeros impostos que me são confiscados pelo governo. Sem contar que também colaboro mensalmente com um orfanato perto de onde eu moro. Se os governos federal, municipal e estadual não fazem bom uso do que nos subtraem em forma de impostos abusivos, paciência!

Só sei de uma coisa: Que não vou me deixar influenciar por uma situação demagógica e travestida de politicamente correta, e cair na lavagem cerebral anual feita pela Globo, pelo Renato Aragão, etc.
avatar
Lili
Administradora

Feminino Mensagens : 4874
Data de inscrição : 08/04/2009
Idade : 55
Localização : Rio de Janeiro

http://visaoemfoco.blogspot.com/

Voltar ao Topo Ir em baixo

Re: "Tapa na cara" do Renato Aragão

Mensagem por Paulo em Qui 22 Out 2009 - 8:00

Concordo plenamente. Pago imposto demais, e o Governo que faça a sua parte.

O programa Criança Esperança traz vantagens à Globo pois não há custo elevado do programa, não paga nenhum artista; audiência é elevada, então é certo que vão lucrar com os patrocinadores; a renda da propaganda não é revertida para a Criança Esperança.....
Agora, para o Governo é vantajoso pois tem imposto para custo de ligação e nem assume as obrigações.
Será que as empresas telefonicas não cobram nada destas ligações?
Como os artistas vivem de imagem, é uma maravilha participar, pois vão dar retorno com as vendas de CD's, filmes, e podem até, mais pra frente pedir caché elevado.


Cansei de ver mendicância por televisão, por telefone! Chega!

Prefiro fazer doação pessoalmente às instituições de caridade, e não precisa ser necessariamente dar dinheiro.


E parabéns pela Carta Desabafo! Será que o Renato Aragão respondeu depois dessa? Se é que leu....
avatar
Paulo
Administrador

Masculino Mensagens : 3616
Data de inscrição : 06/04/2009
Idade : 53
Localização : São Paulo

http://visaoemfoco.ativoforum.com

Voltar ao Topo Ir em baixo

Ver o tópico anterior Ver o tópico seguinte Voltar ao Topo

- Tópicos similares

 
Permissão deste fórum:
Você não pode responder aos tópicos neste fórum